quarta-feira, 7 de novembro de 2012

1986 - SERRA PELADA

foto de Sebastião Salgado

Conta-se que, em dezembro de 1979, um vaqueiro encontrou uma grande pepita de ouro em um riacho que cortava a Fazenda Três Barras, no leste do Pará. Rapidamente mais ouro foi encontrado naquele pequeno curso de água que seria chamado de "Grota Rica". Outra versão dá conta que o fazendeiro Genésio Ferreira estava cavando o chão da sua fazenda para enterrar um moirão quando encontrou uma pepita de ouro: naquele momento se descobria a Serra Pelada.

foto de Sebastião Salgado

Na verdade, desde 1976, com as prospecções de ferro em Carajás, corria o rumor de ouro nas redondezas. Depois de sua “bamburrada” (termo usado para quem encontrava muito ouro), Genésio se viu cercado por milhares de garimpeiros: era 1980, o começo da saga de Serra Pelada, que chegou a ter cerca de 100 mil pessoas permanentes na cava.


Ali o ouro aflorava a céu aberto, na "raiz do capim", como diziam os locais. Iniciava-se assim uma das mais interessantes "Corridas do Ouro" da história: o Garimpo de Serra Pelada.

Quando, algum tempo depois, o ministro da Energia Shigeaki Ueki anunciou que um grande veio de ouro havia sido encontrado no estado do Pará, milhares de garimpeiros de várias partes do país correram para lá. Em abril de 1980 já havia no local cerca de 30 mil garimpeiros, obrigando o Governo a intervir para tentar "organizar" o verdadeiro "formigueiro humano". Em meio ao caos, cada garimpeiro tinha sua gleba. Quem desrespeitava as regras pagava com a própria vida.



Devido à grande concentração de pessoas e a falta de infraestrutura na região, em maio de 1980 foi enviado o interventor federal Sebastião Rodrigues de Moura, o “major Curió”. Foi ele o responsável pela organização dentro e nos arredores do garimpo.


As imagens de milhares de garimpeiros sincronizados subindo e descendo as estreitas encostas e escadas improvisadas em Serra Pelada correram o mundo. Para muitos, aquela multidão de esquálidos carregando blocos de pedra e lama formavam a imagem mais próxima da construção das grandes pirâmides egípcias.


As condições de trabalho eram extremamente precárias. Quanto maior a profundidade do garimpo, maior o perigo de acidentes com garimpeiros. Os desmoronamentos eram frequentes. As escadas improvisadas e danificadas; os perigosos barrancos que se formaram e a inalação de poeira rica em monóxido de ferro tiraram a vida de muitos garimpeiros.


De maio a novembro de 1980 foram retirados aproximadamente 7 toneladas de ouro. No fim do ano de 1981, já haviam sido retiradas do garimpo mais de 10 toneladas de ouro. No fim de dois anos, o estreito riacho já havia se transformado em um buraco de 100 metros de profundidade, do tamanho do estádio do Maracanã.


Depois de anos, em que os revólveres na cintura garantiam a ordem e o "direito à propriedade" nos barrancos de Serra Pelada, em 1984 o presidente João Figueiredo fez um acordo com a Cia Vale do Rio Doce, detentora dos direitos de exploração do local, para que o garimpo fosse fechado até 1987 ou caso alcançasse 20 metros a  mais de profundidade, a conhecida cota 190 (190 metros acima do nível do mar), quando a região poderia ser explorada exclusivamente pela empresa.

A partir daí começaram as especulações em torno da Cota 190... A história entre os garimpeiros era de que técnicos da Vale do Rio Doce e do governo tinham informações que a partir dela a montanha seria um imenso bloco de ouro. Estes boatos animaram ainda mais os garimpeiros a escavar o já gigantesco buraco de forma cada vez mais audaciosa, e muitos deles perderam a vida tentando encontrar seu "sonho dourado".

Articulações políticas permitiram a exploração pública de Serra Pelada até 1992, quando a mina foi fechada definitivamente.

Em 1984, a profundidade do garimpo chegou a quase 200 metros. Nessa época, já não havia tanto ouro para ser extraído, sendo que a produção passou a diminuir ano após ano. Em 1990 foram extraídos do garimpo apenas 600 quilos de ouro. No ano seguinte, o direito de extrair o ouro foi devolvido para a Companhia Vale do Rio Doce, pois está possuía os direitos de explorar a Serra Pelada, originalmente. Além disso, a Companhia recebeu uma indenização do Governo Federal, por ter tido seu direito de exploração da jazida prejudicada pela invasão dos garimpeiros.

Serra Pelada é uma região localizada no município de Curionópolis, no sul do estado do Pará, distante cerca de 35 km da sede do município. Antes da chegada dos garimpeiros, o local onde está situada a Serra Pelada era, na verdade, um córrego estreito aos pés de um morro de uma fazenda chamada de Três Barras. O nome “Serra Pelada” foi emprestado de uma serra ao lado, cuja característica era a falta de árvores.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário